Verdade, cegueira e frutos bons

Verdade, cegueira e frutos bons
A low angle shot of high trees with green leaves under the clear sky

Reflexão sobre o Evangelho segundo Lucas 6,39-45 –

Diz-se que a primeira vítima de toda guerra é a verdade. Onde encontrar a verdade nessa guerra iniciada pela Rússia na Ucrânia? Estamos como cegos guiados por cegos, como diz Jesus no texto de Lucas. Ou pior, embora sejamos capazes de enxergar, somos alvo de campanhas de desinformação que nos cegam, tornando muito difícil enxergar a realidade. Os noticiários da mídia e das redes digitais são antes estimulantes de ódio do que fontes de informação. E isso não é só nesta guerra: há muitos anos a mídia corporativa e as redes digitais destilam o ódio de uns contra outros e outras. Entre povos, raças, classes sociais, gêneros, culturas… enfim, dividem as sociedades em lado “bom” e lado “mau”, instigando a luta entre eles. Se nos deixamos ofuscar por essas políticas de ódio, nos tornamos cegos. Cegos guiados por outros cegos (de ódio).

Não sem motivo o Papa Francisco falou, há alguns anos, que estamos numa “guerra mundial em capítulos”: em cada parte do mundo aparece uma guerra particular matando gente e trazendo desgraças. Por isso ele nos pede que nesta quarta-feira de cinzas façamos jejum e rezemos pela Paz. Paz na Ucrânia, é certo, mas não só ali. Paz no mundo. Paz nos territórios dos Povos indígenas. Paz nas periferias brasileiras, alvo de ocupação policial e miliciana… Elas esperam nossa solidariedade ativa. Mas como?

Vejamos as palavras do Evangelho que hoje foi lido na celebração dominical: “pelos frutos vocês conhecerão a árvore”. Diferentemente da tradução habitual (árvores boas dão frutos bons, e árvores ruins dão frutos ruins) encontrei uma tradução que diz “a árvore sadia dará bons frutos, e a árvore doente dará frutos ruins”. Gostei muito dessa imagem, porque os frutos indicam se a árvore – o sistema social, político e econômico em que vivemos – é sadia ou está doente. Guerra, ódio, vingança, opressão são frutos maduros de um sistema doente, sistema que precisa ser curado, para dar frutos bons, saudáveis, que alegrem a vida humana.

E como se cura esse sistema doente? Pela busca sincera da “verdade que nos libertará”. A verdade que vem não apenas do coração, como diz o Evangelho de hoje, mas principalmente da comunidade de seguidores e seguidoras de Jesus. Que nossa comunidade, nossos grupos de pastoral ou movimentos sejam espaços de busca sincera e apaixonada da Verdade! Este é o caminho da Paz na Terra.

Pedro A. Ribeiro de Oliveira

Floresta (Juiz de Fora), 27 / fevereiro. 20