Impeachment já! Para a vida, para a paz!

Impeachment já! Para a vida, para a paz!

Por Aparecida Fernandes*

“Não pensem que eu vim trazer paz à terra; eu não vim trazer paz e sim a espada.”
Mt. 10, 34

Quando Jesus de Nazaré, em uma de suas falas ao povo, fez essa afirmativa, é porque tinha a consciência de que a mensagem e a prática que trazia consigo atingiria o coração do poder e da tirania da Palestina de seu tempo, assolada por miséria, exploração, escravização, impostas pelo Império Romano.

Jesus nasce e se cria em um tempo de guerra. Sua família teve que fugir para que ele, ainda no ventre da mãe, não fosse morto ao nascer; cresceu vendo seu povo sucumbir à opressão e às injustiças do Império. Ao iniciar o cumprimento de sua missão – ajudar seu povo a se libertar da tirania – estava ciente do que as estruturas de poder de sua época eram capazes de fazer para impedir toda palavra e toda ação que ajudasse o povo oprimido a pensar sobre sua situação e a buscar suas alternativas de liberdade (e o final dessa história a gente sabe). Jesus, portanto, tinha a clareza de que o momento, o contexto em que vivia exigia posicionamento firme e radical em defesa do projeto de outra sociedade.

Nós também, neste tempo em que vivemos, estamos em trincheiras semelhantes às vividas por Jesus. Estamos em tempos de guerra. Uma guerra sem tanques e sem aviões soltando bombas, mas com poderosos sem escrúpulos diminuindo e retirando o oxigênio de pacientes internados com Covid, porque “óbito também é alta”; com poderosos desumanos, negligenciando uma pandemia e levando 600 mil pessoas à morte; com poderosos usurários, entregando o patrimônio nacional ao capital estrangeiro e levando milhões de pessoas à miséria, à fome por causa da dolarização do petróleo; com poderosos especuladores, que retiram direitos duramente conquistados pela classe trabalhadora, levando-a ao desemprego, à falta de moradia, de terra para plantar; com poderosos gananciosos, que se apropriam da terra, das florestas, das nossas riquezas naturais para especular, matando a estas florestas, os rios, os povos originários; com poderosos genocidas, que acionam o gatilho das polícias e das milícias e matam, diariamente, milhares de pessoas – pretas, periféricas, indígenas, campesinas, mulheres, crianças, jovens. E o fazem porque estão com todos os tentáculos dentro da presidência da República. Seu representante, alçado ao posto de presidente por meio de uma eleição desleal, baseada em Fake News, pensa, articula, age para que o país esmoreça nessa política de morte, especialmente os mais vulneráveis. É a face mais expressiva do fascismo que se mostra, e com o fascismo não se dialoga. O fascismo se enfrenta.

Que estejamos, pois, preparados para enfrentar essa guerra. E seu enfrentamento começa pela ocupação organizada das ruas, com posicionamento firme e radical contra esse governo de morte. Que não hesitemos em levantar a espada da verdade, da justiça, da igualdade social, da defesa intransigente dos mais pobres. É preciso que lutemos pela vida, para reconquistar nossos direitos, para ter comida no prato, vacina no braço, moradia, emprego e renda, acesso à cultura, à educação, à saúde plena; para ter condições dignas de existência, enfim.

Para que nosso povo retome seu lugar na arena política do país, sua voz, seu processo de emancipação, de superação das desigualdades, é preciso que esse governo caia e responda por seus crimes.

Para conseguirmos a paz, preparemo-nos para vencer essa guerra! Impeachment de Bolsonaro já! Dia 02 de outubro, com todos os protocolos observados de prevenção à Covid-19, todos e todas nas ruas.

Só a luta muda a vida!

*Aparecida Fernandes é Professora no IFRN e integrante da Coordenação Executiva e Ampliada do Movimento Nacional Fé e Política.