Os martírios de hoje e a cruz de Jesus

Em uma semana três pessoas ligadas aos movimentos sociais no Brasil foram assassinadas de forma brutal. A partir desses acontecimentos, o monge, teólogo e escritor Marcelo Barros nos apresenta uma reflexão e questiona a dificuldade que as Igrejas têm de relacionar essas três mortes à morte de Jesus, crucificado por defender uma sociedade mais justa e liberta. Ele questiona: “por que a Igreja que celebra a paixão de Jesus tem tanta dificuldade em se solidarizar e se inserir no martírio real que o povo sofre a cada dia”? Em tempos de celebração da Páscoa, o texto nos desafia a entender o martírio como forma de viver na certeza da ressurreição, trazendo presentes as testemunhas das lutas diárias por Justiça e Direitos Humanos.

No Caminho do Che

por Marcelo Barros No contexto social e político que, atualmente, vivemos no Brasil e em toda a América Latina, é importante lembrarmos que nesse 07 de outubro se completaram 50 …

Hora de caminhar, hora de parar

por Marcelo Barros “Debaixo do céu, há momento para tudo e tempo certo para cada coisa. Tempo para nascer, tempo para morrer. Tempo para plantar, tempo para colher. tempo para …