A Plataforma de Reforma do Sistema Político

Duas ideias, reflexões e conclusões foram centrais e unânimes no Encontro da Plataforma dos Movimentos Sociais pela Reforma do Sistema Político, ocorrido em Brasília entre 17 e 19 de abril: a profundidade e extensão da atual crise brasileira e a urgência e necessidade da união das forças populares e democráticas nesta conjuntura e quadra da história do Brasil.

Continuar lendo

Os Tempos Ardem

O golpe militar foi há exatos 53 anos, em 31 de março de 1964, ou melhor, primeiro de abril de 1964 (a data ‘oficial’ foi adiantada, porque o primeiro de abril, no imaginário popular, significa ‘dia da mentira’ e tudo mais). Os tempos ardiam na primeira quadra dos anos 1960 e nos anos seguintes.

Continuar lendo

Nossa Casa

“Tudo está interligado/ como se fôssemos um./ Tudo está interligado/ nessa Casa Comum”, cantaram os 75 participantes do Encontro Anual de Mística e Aprofundamento, promovido pela Ampliada das CEBs e Articulação das Pastorais Sociais de 17 a 19 de fevereiro no Centro Diocesano de Formação em Caxias do Sul. O Tema geral do Encontro foi: Uma Igreja em saída, profética e misericordiosa a serviço da vida. Diz a Carta às Comunidades eclesiais e às Pessoas de boa Vontade no Rio Grande do Sul: O Encontro “foi iluminado pelo texto de Exequiel 37, 1-14, que proclama a força criadora do Espírito de Deus, que faz reviver os ossos secos e nos convida a profetizar, sem nunca perder a Esperança”.

Continuar lendo

Resistir é preciso!

Debaixo das árvores, na sombra ou sob o sol, a brisa leve soprando e alimentando as falas, as danças, as místicas, ouvidos atentos, O GRÃO, moeda social, circulando por entre as bancas da Economia Solidária, UM FORA TEMER (e Sartori) a cada cinco minutos ou menos em todos os lugares e ocasiões, inclusive na festa/comemoração de mais de mil pessoas no Assentamento 20 de Novembro, o Movimento Nacional da População em Situação de Rua, vendendo seu jornal Boca de Rua, enquanto recolhia papéis, latas e tudo que pudesse ser aproveitado ou ser recolhido, gente de todas as tribos, etnias, idades, crenças, mil atividades, Cirandas, Rodas de Conversa, debates, um sentimento comum de que é preciso resistir – e todos resistem e resistirão! -. Foi o Fórum Social das Resistências acontecido entre 17 e 21 de janeiro no Parque da Redenção em Porto Alegre, capital das gaúchas e gaúchos, e à espera e preparação do Fórum Social Mundial, março de 2018, em Salvador, Bahia.

Continuar lendo

Fé e Política em Tempos de Resistência

“A política sem fé não transforma. A fé sem política fica estática. Devemos ser sujeitos da fé e da política”. Foram as palavras iniciais de Olívio Dutra na Roda de Conversa promovida pelo Movimento Fé e Política/RS, no Fórum Social das Resistências – Democracia e Direitos dos Povos e do Planeta, na Tenda dos Direitos Humanos instalada entre as árvores e a brisa do Parque da Redenção em Porto Alegre, num belo final de tarde de sol em janeiro de 2017.

Continuar lendo

Aos noventa, a vida e a História

Mamãe Lúcia fez 90 anos no último dia 27, com celebração na igreja São Luiz, festa no

Luizão de Santa Emília, Venâncio Aires, interior do interior do Rio Grande do Sul, cercada pela comunidade e por oito dos seus nove filhos. O Irmão marista Antônio Cechin, falecido dia 16 de novembro, perto de completar 90 anos, deixou tristes militantes, sonhadores/as, lutadoras, companheiros/as do Profeta da Ecologia. As cinzas de Fidel Castro, falecido dia 25 com 90 anos,estão rodando toda Cuba, sob o olhar, o choro, a tristeza de gente do mundo inteiro, refazendo a Caravana da Liberdade de 1959, vitoriosa a Revolução, agora ao contrário, de Havana a Santiago de Cuba.

Continuar lendo

Nos IDOS de 1975, uma ‘Meditação’

O tempo passa, mas não passa. As circunstâncias da história muitas vezes acabam voltando inesperadamente ou vão sendo revividas, ‘como farsa, ou como tragédia’.

                Revirando tralhas acumuladas ao longo dos anos, descobri um texto escrito nos idos de 1975, inacreditáveis 41 anos atrás, com o título `Meditação`.  Eram tempos de ditadura militar, eu era estudante de Teologia e Letras na PUCRS, representante dos alunos junto à direção da Faculdade de Teologia e representante geral dos alunos junto à Reitoria da Universidade em nome do DCE (Diretório Central dos Estudantes).

Continuar lendo

O Sol, a Espera, a Chuva e o Sol

3 de outubro de 2016, segunda-feira, bate o sol forte da primavera, na semana de São Francisco e do assassinato do Che. Enquanto vou pendurando no varal a roupa que acabei de tirar da máquina de lavar, vou pensando na vida e na política, neste primeiro dia de relativa calma depois da volta de Brasília, depois de três meses de intensa campanha eleitoral, e finalmente começando a inaugurar a nova fase da vida como aposentado do INSS, na casa de mamãe Lúcia, Santa Emília, interior do interior do Rio Grande do Sul.

Continuar lendo

Ela

“Ela, a mulher./Ela, dizem, a durona, a inflexível./ Ela, segundo alguns, a (quase) megera, / a mandona./ Ela, porém, a que não dialoga com bandidos,/ a que não protege malfeitores,/ a mãe do espaço que sabe tudo,/ a que, presa e torturada,/ não entregou próximos e aliados/ na bandeja das almas./ Ela, a companheira,/ a que não dorme, vigilante,/ no carinho aos humilhados e desvalidos./ Ela, a que enxerga e revisa tudo,/ vírgula por vírgula,/ ponto por ponto,/ palavra por palavra,/ argumento por argumento./ Ela, a dona do pedaço,/ a que `sequestrou` os homens e os machos/ de seu labirinto de poder,/ de sua segurança privada,/ de seu secular refúgio./ E os deixou nus,/ calças na mão./ Ela, que outrora fez da democracia seu estandarte,/ que lutou por seu alvorecer ao longo da vida,/ que nos tempos contemporâneos,/ os tempos que correm,/ fez da democracia de novo sua bandeira./ Ela, a mulher./ Ela, a guerreira/ e seu grito de independência ou morte./ Ela, que fez das ruas a Casa das mulheres./ Ela é deste céu./ Ela é deste mar./ Ela é deste chão.”

Continuar lendo

Eleições Municipais 2016: A Rua e o Voto

A população está desconfiada com a política. O eleitor desconfia de candidatas e candidatos em qualquer nível. `São todos ladrões`, ouve-se seguidamente. `Ninguém presta. São todos iguais`, é expressão do cotidiano ouvida frequentemente por quem está envolvido na campanha eleitoral. As poucas pesquisas eleitorais divulgadas revelam que deverá aumentar o número de votos brancos e nulos, especialmente para vereador.
Continuar lendo