Te Aprochega, Tchê!

Te Aprochega, Tchê!
Photo by Helena Lopes on Unsplash

Poema composto no Encontro da Pastoral da Juventude em Erexim, RS

Você está cansado,
envelhecido,
cabeça meio em confusão,
mistura de cansaço,
dúvidas e medo,
conjuntura torta,
mundo em quase guerra.

Você está um tanto sozinho,
desesperançado,
nem sempre na melhor companhia,
no meio a ‘dois minutos de ódio’,
do anti-diálogo,
da intolerância,
do preconceito,
dos assassinatos em série.

Aí, uma luz se acende
no fim do túnel: r
“Tens algo para comer,
um naco de pão pra repartir?”

Te aprochegas,
meio tímido,
assim como quem não quer nada,
como alguém que quase não tem dormido,
mas quer abrir a janela,
deixar a brisa da noite e o sol da manhã entrar.

E você comunga na diversidade:
rostos e cores,
almas e corações,
consciências e sonhos,
sorriso e alegria.

Dizem ao teu ouvido:
“Reafirma a luta,
partilha o pão,
porque na diversidade,
na diferença e no colorido,
faz-se comunhão.”

Te aprochegas,
entras na roda de chimarrão,
na ciranda,
no forró e no samba,
no carimbó, no chamamé
e nas festas de São João.
Sempre junto,
nunca só.
Sempre solidário,
nunca ilhado,
mãos dando-se as mãos,
porque as mulheres de coragem,
Margaridas,
este ano não morrerão.

E te tornas pejoteiro, pejoteira!

Te aprochega, tchê!
A casa é comum.
É urgente sair das bolhas,
as bolhas precisam ser furadas,
flores na cabeça,
rosas no coração.

E os ventos da liberdade e da paz soprarão por mais 50 anos:
em todas as coxilhas,
no Pantanal,
na caatinga,
na Mata Atlântica,
no semiárido,
no Cerrado,
na Amazônia,
no Pampa e no mar.

Não há fronteiras,
nem limites,
nem proibições,
nem porteiros,
nem grades e guardas,
nem prisões.

Os tempos são de aprochegar.
Os tempos são de repartir.
Os tempos são de cuidado com todos os seres vivos.
Os tempos são de Galileias mil.
Os tempos são de rebeldia a todo vapor.
Os tempos são de resistência
aos podres Poderes e aos ditadores de plantão.
Os tempos são de luta na nossa América ferida.
Os tempos são de travessia,
construindo a primavera.
Os tempos são de estigmersão e polinização.
Os tempos são de fé e política,
a fé e seus valores,
a política na ação.
Os tempos são de esperançar.
Os tempos são de ser jovens profetas e profetas jovens,
a cantar a vida, o amor e o Bem Viver.

Te aprochega, tchê,
hermana, hermano,
companheira, companheiro,
camarada de fé e solidariedade,
irmã e irmão de caminhada,

Calça as sandálias de Jesus,
põe o fusquinha do Chiquinho na estrada!

Te esperam, nos esperam
o humanismo solidário,
um outro mundo possível, urgente e necessário,
a democracia e a Casa Comum,
o Reino e a utopia.

selvino-heck
Selvino Heck
Erexim, Ampliada Nacional da Pastoral da Juventude:
“Vocês têm alguma coisa para comer? (Jo 21, 5) –
TE APROCHEGA, REAFIRMEMOS A LUTA E PARTILHEMOS O PÃO!
NA DIVERSIDADE SE FAZ COMUNHÃO!”
Declamado na Noite Cultural, em dez de janeiro de dois mil e vinte