Satisfação das necessidades fundamentais?

Leonardo Boff – Satisfação das necessidades fundamentais?

O ser humano é, por natureza, um ser de muitas carências. Precisa de grande empenho para atendê-las e assim poder viver, não miseravelmente, mas com qualidade. Atrás de cada necessidade, se esconde um desejo e um temor: o desejo de poder satisfazê-la de forma a mais satisfatória possível, e o temor de não consegui-lo e, aí, sofrer. Quem tem, teme perder: quem não tem, deseja ter. Assim é a dialética da existência.

Mestres das mais diferentes tradições da humanidade e das ciências do humano convergem mais ou menos nas seguintes necessidades fundamentais:

Temos necessidades biológicas: numa palavra, precisamos comer, beber, morar, nos vestir e ter segurança. Grande parte do tempo é empenhada em atender a tais necessidades. A grande maioria da humanidade as satisfaz de forma precária: ou por falta de trabalho, ou porque a solidariedade e a compaixão são bens escassos. A primeira petição do pai-nosso é pelo pão cotidiano, porque a fome não pode esperar.

Mas não pedimos a Deus que cada dia faça milagres e assim nos dispense de produzir o pão. Pedimos que os climas e a fertilidade dos solos sejam favoráveis e que haja a cooperação na produção e distribuição dos alimentos. Só então exorcizamos o medo e atendemos o nosso desejo básico.

Temos, além disso, necessidade de segurança: podemos adoecer e sucumbir a riscos que nos tiram a vida. Eles podem provir da natureza, das tempestades, dos raios, das secas prolongadas, dos deslizamentos de terra, de todo tipo de acidentes. Podem provir, principalmente, do próprio ser humano, que não só tem dentro de si o instinto de vida, mas também o instinto de morte; pode perder a autocontenção e eliminar o outro. Tudo isso nos produz medo. E temos esperança de contorná-lo. O fato de termos vivido nas cavernas e, depois, em casas mostra nossa busca de segurança.

O fato é que nunca controlamos todos os fatores. Sempre podemos ser vítimas, ou inocentes, ou culpadas. E é então que gritamos por Deus, não para que nos tire da beira do abismo, mas que nos dê coragem para evitá-lo e sobreviver.

Temos, em terceiro lugar, necessidade de pertença: somos seres societários. Pertencemos a uma família, a uma etnia, a um determinado lugar, a um país, ao planeta Terra. O que torna penoso o sofrimento é a solidão, o não poder contar com um ombro amigo e uma mão acolhedora. Como somos frutos do cuidado das nossas mães, que nos seguraram nos braços, queremos morrer segurando a mão de alguém próximo, ou de quem nos ama.

No fundo do abismo existencial, clamamos pela mãe ou por Deus. E sabemos que Ele nos atende, porque é sensível à voz de seus filhos e filhas e sente o pulsar de nosso coração amedrontado. Ser reduzido à solidão é ser condenado ao inferno existencial e à ausência de qualquer comunhão. Por isso, importa garantir o sentimento de pertença, caso contrário nos sentimos como cães abandonados e vagantes no mundo.

Em quarto lugar, temos necessidade de autoestima. Não basta existirmos. Precisamos que nossa existência seja acolhida, que alguém, por palavras e atos, nos diga “seja bem-vindo ao nosso meio, você conta para nós”. A rejeição nos faz ter, ainda vivos, a experiência de morte. Precisamos, pois, ser reconhecidos como pessoas, nas nossas diferenças e singularidades. Caso contrário, somos como uma planta sem nutrientes, que vai mirrando até morrer. E como é importante quando alguém nos chama pelo nome e nos abraça! Nossa humanidade negada nos é devolvida, e podemos seguir com esperança e sem medo.

Por fim, temos necessidade de autorrealização. Esse é o grande anseio e desafio do ser humano: de poder realizar-se a si mesmo e de tornar-se humano. Que é o humano do ser humano? Não sabemos exatamente, porque até o inumano pertence ao humano. Somos um mistério para nós mesmos. Não é que nada saibamos do humano. Ao contrário, quanto mais sabemos, mais se alargam as dimensões daquilo que não sabemos. Temos saudades das estrelas de onde viemos.

Mas sabemos o suficiente para descobrirmo-nos seres de abertura: ao outro, ao mundo e ao Todo. Somos seres de desejo ilimitado. Por mais que busquemos o objeto que sacie nosso desejo, não o encontramos entre os seres à nossa volta. Desejamos o Ser essencial e topamos apenas com entes acidentais. Como, então, conseguiremos a nossa autorrealização se nos percebemos como um projeto infinito?

É nesse afã que ganha sentido falar de Deus como o Ser essencial e o obscuro objeto de nosso desejo infinito. Só Ele preenche as características do Infinito, adequadas ao nosso projeto infinito. Autorrealizar-se, portanto, implica envolver-se com Deus. Envolver-se com Deus é despertar a espiritualidade em nós, aquela capacidade de sentir uma Energia poderosa e amorosa que perpassa toda a realidade. É poder ver na onda o mar e na gota d’água, a imensidão do Amazonas. Espiritualidade é sentir a fome e a sede de um derradeiro aconchego onde, enfim, todas as nossas necessidades serão satisfeitas, onde morrem todos os temores e onde descansaremos.

Enquanto não elaborarmos em nós esse Centro, sentir-nos-emos sempre na pré-história de nós mesmos: seres inteiros, mas inacabados e, no termo, frustrados.

Ao entrarmos em comunhão com o Ser essencial pela entrega silenciosa e incondicional, pela oração e pela meditação, abrimos um manancial de energias incomparável e insubstituível. O efeito é a pura alegria, a leveza da vida, a bem-aventurança possível aos caminhantes.

VEJA TAMBÉM
O Papa Francisco e a economia política da exclusão... Quem escuta as várias intervenções do bispo de Roma e atual Papa, se sente em casa e na América Latina. Ele não é eurocêntrico, nem romanocêntrico e m...
OS TEMPOS URGEM E RUGEM OS TEMPOS URGEM E RUGEMSelvino Heck Os tempos ardem no mundo. Crise econômica.Crise social. Crise política. Crise ambiental. Crise cultural e de valor...
Economia verde versus Economia solidária O Documento Zero da ONU para a Rio+20 é ainda refém do velho paradigma da dominação da natureza para extrair dela os maiores benefícios possíveis par...
Eleições 2016: Políticas Públicas e a Democracia... Políticas públicas, serviços públicos e democracia estão sob forte ameaça. Diz o jornal Correio do Povo, do Rio Grande do Sul: “A realidade, expressa ...