Rio+20: Um Outro Mundo é Possível

RIO+20: UM OUTRO MUNDO É POSSÍVEL

É a frase, o rumo, a orientação dadas pela presidenta Dilma no Fórum Social Temático (FST) realizado em Porto Alegre no final de janeiro: “Eu considero essencial na Rio+20 discutir um outro paradigma. A função da Rio+20 é colocar entre os governos a questão da crise e como sair dela. Discutir a desigualdade social que atinge os países do Terceiro Mundo e emergentes. O acesso à água. Então vocês discutam os novos paradigmas, se vocês quiserem, anti-capitalistas.”

Disse mais a presidenta: “Nossos países, hoje, não sacrificam sua soberania frente às pressões de potências, grupos financeiros ou agências de classificação de risco. Mas sobretudo nossos países avançam fortalecendo a democracia. Na América do Sul, como diz aquela canção da Revolução dos Cravos, da Revolução Portuguesa: ‘O povo é quem ordena’.”

Esta cidade – Porto Alegre -, disse ela, “transformou-se em referência para todos aqueles que buscavam criar uma alternativa ao desequilíbrio da situação econômica e política global. Aqui, afirmou-se a idéia de que um outro mundo é possível. Aqui, estavam, como hoje aqui (no Gigantinho, Porto Alegre) estão, os que não sucumbiram ao pensamento único, nem acreditaram no fim da história”.

A Rio+20, segundo a presidenta Dilma, “deve ser um momento importante de um processo de renovação de idéias. Centrado na importante questão ambiental e nos problemas da mudança do clima, o encontro do Rio vai enfrentar uma questão mais ampla e decisisva: estará no centro dos debates um novo modelo de desenvolvimento, contemplando três dimensões – a econômica, a social e a ambiental. O que estará em debate na Rio+20 é um modelo de desenvolvimento capaz de articular o crescimento e a geração de emprego; a erradicação da pobreza e a redução das desigualdades; a participação social e ampliação de direitos; a educação e a inovação tecnológica; o uso sustentável e a preservação dos recursos ambientais.”

Não são poucos os desafios. Mas são tempos também de oportunidades. Disse a presidenta Dilma: “A tarefa que nos impõe este Fórum Social Temático, como também a Rio+20 e outros eventos que virão, é o de desencadear o movimento de renovação de ideais e de novos processos, absolutamente necessários para enfrentar os dias difíceis em que vive hoje ampla parte da humanidade. A dissonância entre a voz dos mercados e a voz das ruas parece aumentar, cada vez mais, nos países desenvolvidos, colocando em risco não apenas conquistas sociais, mas a própria democracia. O mundo do pós-neoliberalismo não pode ser o mundo da pós-democracia. A indignação de jovens, de mulheres, de militantes, que ocupam as ruas de dezenas de cidades do mundo, é um sintoma importante que não pode ser desconsiderado. As organizações da sociedade civil e os governos progressistas, cada um na sua dimensão, podem fazer desses primeiros anos do novo milênio o anúncio de uma nova era. Por isso, é decisivo o fortalecimento dos laços de solidariedade e da cooperação Sul-Sul que unem os nossos povos.”

Os debates foram intensos no Fórum Social Temático de Porto Alegre. Foi construída uma aliança estratégica entre movimentos sociais e populares, povo organizado, ONGS, lideranças sociais e políticas, para levar à Rio+20 idéias e propostas de um outro mundo possível. Como diz a Declaração da Assembléia dos Movimentos Sociais ao final do FST: “Nós, povos de todos os continentes, reunidos na Assembléia de Movimentos Sociais, realizada durante o FST Crise Capitalista, Justiça Social e Ambiental, lutamos contra as causas de uma crise sistêmica, que se expressa na crise econômica, financeira, política, alimentar e ambiental que se irradia por todas as dimensões, colocando em risco a própria sobrevivência da humanidade.”

Os eixos comuns de luta são, adotados na Assembléia de Dakar, em 2011, reafirmados agora em 2012: Lutar contra as transnacionais; luta pela justiça climática e pela soberania alimentar; luta para banir a violência contra a mulher; luta pela paz e contra a guerra, o colonialialismo, as ocupações e a militarização de nossos territórios.

Como ações concretas, além da preparação para participar da Rio+20, foi decidido realizar dia 5 de junho, Dia Mundial do Meio Ambiente, “uma grande jornada de mobilização global contra o capitalismo e em defesa da justiça ambiental e social.” E “fazer entre 18 e 26 de junho, no Rio da Janeiro, uma grande mobilização mundial, com acampamento permanente, uma marcha de um milhão de pessoas e realizando a Cúpula dos Povos”.

2012, portanto, não será um ano de descanso. Como sinalizou o final do discurso da presidenta Dilma no Gigantinho: “Os grandes movimentos da humanidade são feitos de ação, mas também de esperança. Foi a esperança que moveu a minha geração, décadas atrás. Hoje, quando olho o caminho percorrido e para os objetivos alcançados, só posso dizer a vocês: valeu a pena. É essa esperança que nos une e nos mobiliza para a Rio+20. É essa esperança que deve sempre nos guiar na busca de um novo modo de vida, inclusivo e sustentável. Sabendo que o papel da sociedade civil será determinante para o êxito da Rio+20, conto com a mobilização, com o engajamento e a presença de vocês no Rio de Janeiro. Eu tenho certeza: UM OUTRO MUNDO É POSSÍVEL.

Selvino Heck

Assessor Especial da Secretaria Geral da Presidência da República

Em dois de fevereiro de dois mil e doze

VEJA TAMBÉM
Dez possíveis lições após o Impeachment Seguramente é cedo ainda para tirar lições do questionável impeachment que inaugurou uma nova tipologia de golpe de classe via parlamento. Estas prime...
Hora de caminhar, hora de parar por Marcelo Barros "Debaixo do céu, há momento para tudo e tempo certo para cada coisa. Tempo para nascer, tempo para morrer. Tempo para plantar, tem...
DOM Marcelo Carvalheira, Cristão Intransigente Frei Betto Perseguido pela repressão da ditadura militar em 1969, transferi-me de São Paulo para São Leopoldo (RS), matriculado no curso de teologi...
Bem Viver, Profetismo e Política “Se calarem a voz dos profetas, as pedras falarão. / Se fecharem uns poucos caminhos, mil trilhas nascerão.” Os versos da canção ‘Se calarem a voz’, d...