Os Tempos Ardem

O golpe militar foi há exatos 53 anos, em 31 de março de 1964, ou melhor, primeiro de abril de 1964 (a data ‘oficial’ foi adiantada, porque o primeiro de abril, no imaginário popular, significa ‘dia da mentira’ e tudo mais). Os tempos ardiam na primeira quadra dos anos 1960 e nos anos seguintes.

Desde 1985, portanto há mais de 30 anos, vivemos tempos inéditos de democracia: uma Constituinte que produziu uma Constituição Cidadã, eleições diretas depois de grandes mobilizações populares, governos populares com Orçamento Participativo e políticas públicas com participação social e popular. Para um país chamado Brasil com sua história, escravocrata e de muito pouca democracia, não é pequeno ou menor este período democrático e suas conquistas.

E achávamos que este tempo democrático alargado, 30 anos – só houve outro tão longo, de 19 anos, entre 1945 e 1964 –, e a democracia estavam consolidados. Não estão.

Os tempos ardem porque a direita e os setores conservadores ressurgiram e a velha mídia e seus aliados, que apoiaram o golpe em 64, estão hoje apoiando e dando um golpe mais uma vez. A diferença é que então, 53 anos atrás, todos os setores democráticos eram contra o golpe militar. Hoje, grande parte dos setores democráticos de então, e que sofreram o golpe militar e lutaram pela redemocratização, o PMDB e o PSDB, até o PSB, para ficar só em partidos, não só apoiam como perpetraram o golpe atual.

É verdade que o golpe de agora não é militar, portanto tem outras características. Mas continua sendo um golpe contra a democracia e o voto de 54 milhões de brasileiras e brasileiros, que elegeram legitimamente Dilma presidente. E é um golpe que está ameaçando a liberdade, está cortando direitos, especialmente dos mais pobres e dos trabalhadores, e acabando com a soberania nacional.

Os tempos ardem porque a esquerda e os setores democráticos da sociedade resistem. Estão aí as manifestações todos os dias, o carnaval, o 8 de março, o 15 de março, as de hoje, 31 de março, e anuncia-se uma Greve Geral para 28 de abril, convocada por todas as Centrais Sindicais.

Mas não basta resistir. É preciso apontar futuro, propor um programa para o momento e construir um projeto de sociedade para amanhã.

As Reformas de Base, não feitas nos anos 1960 e motivo principal do golpe militar – setores da classe média, mídia, elites nacionais e internacionais usaram o medo do suposto comunismo que viria como pretexto para acabar com as Reformas de Base –, precisam ainda ser feitas, 53 anos depois: a política, a tributária, a agrária, a da mídia. E Reformas de Base e estruturantes não são as reformas da previdência e trabalhista propostas pelo governo golpista de plantão, que acabam com a Nação e a soberania, aumentam a desigualdade social e penalizam unicamente os pobres e os trabalhadores.

A democracia e uma sociedade democrática são uma construção diária e vigilante. Nunca se pode considerá-las prontas ou definitivas no Brasil e no continente latino-americano. Vivemos tempos de denúncia, e são tempos de anúncio. As Jornadas de Abril, o Abril Vermelho, a Greve Geral em construção, o sexto Congresso do PT, em andamento, tudo preparando um grande Primeiro de Maio, são elementos de resistência e sinais de que a democracia pode e deve ser mantida e/ou reconquistada.

Escrevi um poema, publicado no CAJADO, Ano III, número 11, jornal do Movimento Peregrinos da Pastoral de Juventude, fev-março/1980, tempos de ditadura, e que parece escrito hoje ou para hoje, 2017: “LUTADORES. A sensação mais forte/ é de impotência./ Nada somos/ e os batalhões inimigos são amplos,/ têm a pele pintada para a guerra,/ o rosto feroz./ Quase somos sozinhos,/ sem armas,/ apenas a palavra,/ sem força,/ apenas a ideia,/ sem estratégia,/ apenas a esperança./ São poucos os companheiros,/ poucas as companheiras/ e a coragem./ Vivemos presos à casa,/ ao medo,/ pouco sabemos da vida/ e da dor./ Mal distinguimos o limite/entre o sofrimento do povo/ e a verdade,/ entre o silêncio/ e a liberdade./ O continente é mais vasto/ que nossa união e cansaço./ No entanto,/ meu irmão,/ minha irmã,/ não dobramos o corpo,/ não apagamos a luta. A MANHÃ PERTENCE AO POVO.”

1964, 1980, tempos de ditadura militar, os tempos ardiam. Mas a manhã chegou. Os tempos ardem outra vez e arderão por muito tempo. A manhã há de chegar de novo.

Selvino Heck

Deputado estadual constituinte do Rio Grande do Sul (1987-1990)

Em trinta e um de março de dois mil e dezessete

VEJA TAMBÉM
O(S) MURO(S) “Precisamos de pontes, não de muros”, disse o papa Francisco há poucos dias. O Muro de Berlim caiu há 25 anos. Era um muro que dividia uma cidade, di...
Paraguai, Democracia Falsificada Você compraria uísque Blue Label ou bolsa Louis Vuitton contrabandeados do Paraguai? Com certeza desconfiaria da qualidade. Isso vale para a “nova d...
Para salvar a humanidade do desastre: “o bem viver... Por Ivo Lesbaupin. O “bem viver” “Bem viver” é uma concepção de vida proveniente dos povos indígenas andinos, presente tanto nos Aimara (Bolívia...
FÉ E EDUCAÇÃO POLÍTICA FÉ E EDUCAÇÃO POLÍTICA “Gelobt sei Jesus Christus – Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo”, saudei o bispo D. Canísio Klaus, em alemão. “In Ewig...