O poder dos corruptores

Roberto Malvezzi (Gogó)

A Odebrecht montou um esquema estruturado de propina. Um delator denunciou que “havia um certo prazer de comprar”. Já não era sequer a velha prática das empresas de comprar agentes públicos conforme seus interesses, mas a satisfação de ver tanta gente “comer na mão”.

A prática existe há trinta anos, segundo Emílio. Ele fala rindo, sabendo que tem nas mãos a cabeça de muita gente. Portanto, outros governos também sucumbiram ao poder dos corruptores.

Estamos falando apenas de uma empresa. Não há como detalhar o que acontece nos estados e nos municípios. Só sabemos que nenhuma esfera do poder público escapa ao conluio dos corruptores com os agentes públicos, com as exceções de sempre.

Porém, para os corruptores a propina é investimento, mesmo que seja alta. Só pode investir centenas de milhões de reais em propina quem tem certeza de seu retorno através de obras financiadas pelo dinheiro público.

Mas, a ação corruptiva não terminou, para a desgraça do povo brasileiro. Quem ganhou para que a dívida de 25 bilhões do Itaú fosse perdoada agora? Quem está pagando para que a Reforma de Previdência seja feita, favorecendo a previdência privada? Quantas empresas e empresários estão financiando a mudança na legislação trabalhista? Quem da educação pagou pela mudança no currículo escolar? E quem ali naquele Congresso está se vendendo para operar essas mudanças?

O poder dos corruptores é medonho, do tamanho do capitalismo e não faltarão corruptos para aceitar os subornos, mesmo que seja para condenar o povo ao pão que o diabo amassou, se é que ele amassa o pão para alguém.

www.robertomalvezzi.com.br

VEJA TAMBÉM
Desafios à RIO+20 Iniciada há poucos dias, Rio+20 abriga chefes de Estado, e ambientalistas e movimentos sociais na Cúpula dos Povos. O evento corre o risco de frustra...
Dez possíveis lições após o Impeachment Seguramente é cedo ainda para tirar lições do questionável impeachment que inaugurou uma nova tipologia de golpe de classe via parlamento. Estas prime...
Secura de Brasília Selvino Heck O avião começa a baixar no aeroporto de Brasília. Olho pela janela e vejo o que mais me impactou quando comecei a morar na capital fe...
Nos IDOS de 1975, uma ‘Meditação’ O tempo passa, mas não passa. As circunstâncias da história muitas vezes acabam voltando inesperadamente ou vão sendo revividas, ‘como farsa, ou como ...