Nossa Casa

“Tudo está interligado/ como se fôssemos um./ Tudo está interligado/ nessa Casa Comum”, cantaram os 75 participantes do Encontro Anual de Mística e Aprofundamento, promovido pela Ampliada das CEBs e Articulação das Pastorais Sociais de 17 a 19 de fevereiro no Centro Diocesano de Formação em Caxias do Sul. O Tema geral do Encontro foi: Uma Igreja em saída, profética e misericordiosa a serviço da vida. Diz a Carta às Comunidades eclesiais e às Pessoas de boa Vontade no Rio Grande do Sul: O Encontro “foi iluminado pelo texto de Exequiel 37, 1-14, que proclama a força criadora do Espírito de Deus, que faz reviver os ossos secos e nos convida a profetizar, sem nunca perder a Esperança”.

A Romaria da Terra do Rio Grande do Sul faz 40 anos em 2017. A primeira aconteceu na terça feira de carnaval de 1978, em Caiboaté, São Gabriel, com o tema ‘A salvação do índio está na consciência do branco’. Eram tempos difíceis de ditadura militar. A quadragésima será dia 28 de fevereiro, terça de carnaval, em Pontão, no Assentamento Fazenda Annoni, com o tema ‘Terra de Deus, Terra de Irmãos’, em tempos de novo difíceis.

E na quarta-feira de cinzas, dia primeiro de março, início da Quaresma, abre-se a Campanha da Fraternidade Ecumênica, com o tema ‘Biomas Brasileiros e Defesa da Vida’, e o lema, ‘Cultivar e guardar a Criação’.

Nossa casa está em perigo. Em todos os sentidos: democracia, venda de terras para estrangeiros, destruição do meio ambiente, privatizações, ameaças aos direitos dos pobres e trabalhadores.

A Romaria da Terra acontece num lugar especial, o Assentamento Fazenda Annoni, em Pontão, terra conquistada na luta nos anos 1980. Hoje, mais de 400 famílias vivem no Assentamento, produzindo leite, embutidos de carne, organizadas em Cooperativas e com escolas de qualidade no próprio Assentamento. “Hoje, todo mundo tá vivendo bem”, diz o assentado Ari Pilatti (Annoni: uma história de resistência e luta pela democratização da terra, Voz da Terra, Jornal da Romaria, CPT, p. 5).

Escreve Roberto Malvezzi, sobre a Campanha da Fraternidade, em ‘Os biomas brasileiros e seus Povos originários’ (Vida pastoral, ed. Paulus, março-abril 2017, p. 3): “Desafiada pela realidade e pelos apelos da Laudato Sì, do Papa Francisco, a Igreja propõe que nos debrucemos sobre nosso país mais uma vez, que vejamos nossas riquezas e problemas, num espírito quaresmal de conversão a Deus e aos irmãos e irmãs e também numa verdadeira ‘conversão ecológica’, para cumprirmos o mandamento que o Criador nos deu desde o início: ‘cultivar e guardar a criação’.”

Os participantes do Encontro de Caxias do Sul, quando cantaram que ‘tudo está interligado como se fôssemos um, tudo está interligado nessa Casa Comum’, cantaram também a unidade de cristãos e não cristãos, cantaram a criação, cantaram que seu Encontro está em perfeita sintonia com a Romaria da Terra e seus milhares de romeiros, cantaram que estão irmanados com a Campanha da Fraternidade e seus desafios de cuidar dos biomas e defender a vida, defender a democracia, defender os direitos dos pobres e trabalhadores. E sonhar com um mundo justo, manter viva a utopia do Reino, que é de todas e todos.

Não são os poderosos, nem os tiranos, nem os ditadores, nem os vendilhões do templo que conduzem romeiros. Os que tiram os direitos dos pobres, dos trabalhadores, dos jovens e das mulheres destroem a democracia e a Casa Comum. Quem conduz romeiros é a fé, a coragem, o sonho.

Nossa Casa Comum está ameaçada. Por isso, é preciso resistência alimentada pela esperança. Os Encontros, as Romarias, as Campanhas, onde e quando lutadoras e lutadores, militantes sociais, agentes de comunidades e de pastoral se encontram, são momentos de celebração e fortalecimento comum, espaços de unidade e de carregar a fé para dizer não às ameaças e dizer sim à Casa Comum: vamos protegê-la, dela cuidar, cuidando de nós mesmos coletivamente.

Antonia Rezende, da Ampliada de CEBs regional, disse em Caxias do Sul: “A mística e vivências é que motivam a voltar às nossas Galiléias e nos mantermos firmes no caminhar na certeza de que o Deus da vida caminha conosco, vai à nossa frente.”

Amém! Axé! Awere! Aleluia!

Selvino Heck

Membro da Coordenação Nacional do Movimento Fé e Política

Deputado estadual constituinte do Rio Grande do Sul (1987-1990)

Em vinte e quatro de fevereiro de dois mil e dezessete

VEJA TAMBÉM
Aos noventa, a vida e a História Mamãe Lúcia fez 90 anos no último dia 27, com celebração na igreja São Luiz, festa no Luizão de Santa Emília, Venâncio Aires, interior do interior do ...
Eleições 2016: O Contexto As eleições municipais de 2 de outubro são, no momento em que escrevo, 29 de julho, imprevisíveis. Ninguém sabe o que vai acontecer. Escrevo como algu...
A perda de capilaridade social e a desafeição dos ... Entrevista especial com Pedro Ribeiro de Oliveira “Nos dois primeiros anos do pontificado de Francisco, a maior parte da Igreja (pelo menos no Brasil...
O VELHO CARISMA O VELHO CARISMA Felizmente, de vez em quando acontecem coisas na vida da gente que nos rejuvenescem, fazem a vida recuperar sentido e ajudam a renasce...