Nossa Casa

“Tudo está interligado/ como se fôssemos um./ Tudo está interligado/ nessa Casa Comum”, cantaram os 75 participantes do Encontro Anual de Mística e Aprofundamento, promovido pela Ampliada das CEBs e Articulação das Pastorais Sociais de 17 a 19 de fevereiro no Centro Diocesano de Formação em Caxias do Sul. O Tema geral do Encontro foi: Uma Igreja em saída, profética e misericordiosa a serviço da vida. Diz a Carta às Comunidades eclesiais e às Pessoas de boa Vontade no Rio Grande do Sul: O Encontro “foi iluminado pelo texto de Exequiel 37, 1-14, que proclama a força criadora do Espírito de Deus, que faz reviver os ossos secos e nos convida a profetizar, sem nunca perder a Esperança”.

A Romaria da Terra do Rio Grande do Sul faz 40 anos em 2017. A primeira aconteceu na terça feira de carnaval de 1978, em Caiboaté, São Gabriel, com o tema ‘A salvação do índio está na consciência do branco’. Eram tempos difíceis de ditadura militar. A quadragésima será dia 28 de fevereiro, terça de carnaval, em Pontão, no Assentamento Fazenda Annoni, com o tema ‘Terra de Deus, Terra de Irmãos’, em tempos de novo difíceis.

E na quarta-feira de cinzas, dia primeiro de março, início da Quaresma, abre-se a Campanha da Fraternidade Ecumênica, com o tema ‘Biomas Brasileiros e Defesa da Vida’, e o lema, ‘Cultivar e guardar a Criação’.

Nossa casa está em perigo. Em todos os sentidos: democracia, venda de terras para estrangeiros, destruição do meio ambiente, privatizações, ameaças aos direitos dos pobres e trabalhadores.

A Romaria da Terra acontece num lugar especial, o Assentamento Fazenda Annoni, em Pontão, terra conquistada na luta nos anos 1980. Hoje, mais de 400 famílias vivem no Assentamento, produzindo leite, embutidos de carne, organizadas em Cooperativas e com escolas de qualidade no próprio Assentamento. “Hoje, todo mundo tá vivendo bem”, diz o assentado Ari Pilatti (Annoni: uma história de resistência e luta pela democratização da terra, Voz da Terra, Jornal da Romaria, CPT, p. 5).

Escreve Roberto Malvezzi, sobre a Campanha da Fraternidade, em ‘Os biomas brasileiros e seus Povos originários’ (Vida pastoral, ed. Paulus, março-abril 2017, p. 3): “Desafiada pela realidade e pelos apelos da Laudato Sì, do Papa Francisco, a Igreja propõe que nos debrucemos sobre nosso país mais uma vez, que vejamos nossas riquezas e problemas, num espírito quaresmal de conversão a Deus e aos irmãos e irmãs e também numa verdadeira ‘conversão ecológica’, para cumprirmos o mandamento que o Criador nos deu desde o início: ‘cultivar e guardar a criação’.”

Os participantes do Encontro de Caxias do Sul, quando cantaram que ‘tudo está interligado como se fôssemos um, tudo está interligado nessa Casa Comum’, cantaram também a unidade de cristãos e não cristãos, cantaram a criação, cantaram que seu Encontro está em perfeita sintonia com a Romaria da Terra e seus milhares de romeiros, cantaram que estão irmanados com a Campanha da Fraternidade e seus desafios de cuidar dos biomas e defender a vida, defender a democracia, defender os direitos dos pobres e trabalhadores. E sonhar com um mundo justo, manter viva a utopia do Reino, que é de todas e todos.

Não são os poderosos, nem os tiranos, nem os ditadores, nem os vendilhões do templo que conduzem romeiros. Os que tiram os direitos dos pobres, dos trabalhadores, dos jovens e das mulheres destroem a democracia e a Casa Comum. Quem conduz romeiros é a fé, a coragem, o sonho.

Nossa Casa Comum está ameaçada. Por isso, é preciso resistência alimentada pela esperança. Os Encontros, as Romarias, as Campanhas, onde e quando lutadoras e lutadores, militantes sociais, agentes de comunidades e de pastoral se encontram, são momentos de celebração e fortalecimento comum, espaços de unidade e de carregar a fé para dizer não às ameaças e dizer sim à Casa Comum: vamos protegê-la, dela cuidar, cuidando de nós mesmos coletivamente.

Antonia Rezende, da Ampliada de CEBs regional, disse em Caxias do Sul: “A mística e vivências é que motivam a voltar às nossas Galiléias e nos mantermos firmes no caminhar na certeza de que o Deus da vida caminha conosco, vai à nossa frente.”

Amém! Axé! Awere! Aleluia!

Selvino Heck

Membro da Coordenação Nacional do Movimento Fé e Política

Deputado estadual constituinte do Rio Grande do Sul (1987-1990)

Em vinte e quatro de fevereiro de dois mil e dezessete

VEJA TAMBÉM
É importante derrotar as elites do atraso por Leonardo Boff Por mais críticas que se façam e se tenha que fazer ao PT, com ele ocorreu algo inédito na história política do país. Alguém do ...
Libertação: ação que cria a liberdade Leonardo Boff - Libertação: ação que cria a liberdade Liberdade é mais que uma faculdade do ser humano — a de poder escolher, ou o livre arbítrio. ...
Jornada Mundial da Juventude: celebração e comprom... No pensamento social e filosófico a questão da fé não está em alta. Antes, pelo contrário, a maioria dos pensadores, tributários dos mestres da suspe...
Que Fazer Selvino Heck* A pergunta de Lenin em 1902, que serviu como título de seu livro mais famoso e importante, pode ser feita de novo hoje, 2017. Com est...