Memória e Compromisso

“Uma coisa é perdoar, outra coisa é esquecer”, disse a Irmã Sueli Bellato, referindo fala do ex-presidente da CNBB, D. Geraldo Lyrio, sobre os crimes na ditadura militar. Foi no lançamento do livro ‘Memória e Compromisso – A participação dos Cristãos na Redemocratização do Brasil e Anistia Política’, organizado pela Comissão Brasileira de Justiça e Paz, na sede nacional da CNBB, em Brasília, 13 de junho, dia de Santo Antônio.

D. Leonardo Steiner, Secretário Geral da CNBB, que coordenou o ato de lançamento, escreve na Apresentação do livro: “Fazer memória, memorar; compromisso, comprometer-se! A memória conduzirá a um comprometimento, isto é, ao caminho comum da justiça, da verdade e da paz! A memória do que nos une nos compromete com o bem e o direito de todos, a justiça e a paz. Na memória e no compromisso se constrói um povo e uma nação.”

Diz a orelha do livro: “Fazer memória não é simplesmente ceder ao apego do passado. Fazer memória não é permitir que um passado não passe, mas que continue alimentando o presente. Os cristãos têm uma experiência singular disso. Autenticamente, conseguem ler a realidade com os olhos da fé. Por isso podemos afirmar que há uma peculiaridade da militância cristã pela democracia, que lhe diferencia de outras reflexões de outros com o mesmo objetivo de superação do autoritarismo.

Queremos, com esse livro, prestar homenagem a todos aqueles que, motivados pela fé, resistiram ao autoritarismo ditatorial e lutaram por democratização e anistia política no Brasil. Homenageamos, sobretudo, aqueles menos conhecidos, cujos rostos e nomes contribuíram significativamente para a superação do regime, mas pouco se consolidaram nos anais da história.”

O livro tem, em “Puxando o fio da memória’, reflexões sobre ‘A Igreja e a Ditadura militar’, de Sérgio Ricardo Coutinho; ‘Igreja e Poder no Brasil’, de Cândido Mendes; ‘As Teologias no Contexto da Ditadura militar’, do padre Nelito Dornelas; ‘1964: O Uso dos Militares pelos Grupos civis reacionários’, de Leonardo Boff. Tem relatos e testemunhos de quem sofreu a ditadura, pessoas com as quais tive a felicidade de conviver: o Ir. Antônio Cechin e sua Catequese da Libertação; Ademar Bertucci, da Cáritas e grande lutador da economia solidária; Cláudio Nascimento, que integrou a equipe do TALHER e a Rede de Educação Cidadã (RECID); Valdemar Rossi, da Oposição Metalúrgica de São Paulo e da Pastoral Operária, recentemente falecido; padre José Ernanne Pinheiro, do Centro de Fé e Política D. Helder Câmara (CEFEP); Anivaldo Padilha, leigo metodista e pai do Alexandre Padilha. Tem reflexões do Pe. Décio Walker, ‘Leitura bíblica de Resistência nos tempos da Ditadura”; de Frei Betto, ‘Superar a Amnésia nacional, manter viva a Memória’; de Sueli Bellato, ‘Resgate da Memória e Compromisso com a Dignidade humana e o Aperfeiçoamento da Democracia’; de Ayrton Fausto, ‘A Democracia no Brasil: 2015’.

Nas palavras de Carlos Moura, Secretário Executivo da Comissão de Justiça e Paz, é um testemunho da resistência dos cristãos e de sua responsabilidade como cidadãos com o Brasil de ontem e de hoje. E perguntou: “Estaremos imbuídos da mesma esperança e resistência de antanho para defender a democracia?”

Os cristãos lutaram contra a ditadura e sofreram prisões, torturas, assassinatos, exílio. E atuaram na reconstrução da democracia: nos grupos de reflexão bíblica, nas pastorais populares como a da Juventude, a da Terra, a Operária, nas Comunidades Eclesiais de Base (CEBS), na reflexão da Teologia da Libertação, nas organizações populares de bairro e do campo, nas Oposições Sindicais, no movimento sindical combativo.

‘Memória e Compromisso – A Participação dos Cristãos na Redemocratização do Brasil e Anistia política’ é parte do retrato de uma época. É também, nos tempos conturbados de hoje, em que mais uma vez a democracia está sob ameaça no Brasil, um sentido de futuro, de que é possível superar as crises, de que a fé com a política pode impulsionar e dar sentido profético a uma nova sociedade, com justiça, igualdade, solidariedade.

Hoje, 2016, é possível cantar, como fizeram os presentes ao ato de lançamento: “Quero entoar um canto novo de alegria/ Ao raiar aquele dia de chegada em nosso chão/ Com meu povo celebrar a alvorada/ Minha gente libertada/ LUTAR NÃO FOI EM VÃO”. Porque “da esperança eu me apego ao mutirão;/ pois a terra é dos irmãos e na mesa igual partilha tem que haver;/ arrozais florescerão e em seus frutos liberdade colherei” (Peregrino nas Estradas de um Mundo desigual, de Frei Domingos dos Santos).

E na palavra final da Ir. Sueli, da Comissão Brasileira de Justiça e Paz da CNBB e que participou da Comissão de Anistia: “Para que nunca mais aconteça.”

Selvino Heck Deputado estadual constituinte do Rio Grande do Sul – 1987/1990 Membro da Coordenação Nacional do Movimento Fé e Política Em dezessete de junho de dois mil e dezesseis

VEJA TAMBÉM
Aos noventa, a vida e a História Mamãe Lúcia fez 90 anos no último dia 27, com celebração na igreja São Luiz, festa no Luizão de Santa Emília, Venâncio Aires, interior do interior do ...
Qual é o lugar do religioso no mundo? Por mais que a sociedade se mundanize e, de certa forma, se mostre materialista, não podemos negar que vigora umavolta vigorosa do religioso, do místi...
Dominicanos apoiam as Comunidade Eclesiais de Base Frei José Fernandes, provincial da Ordem Dominicana no Brasil publicou uma carta a propósito do ataque de grupos contrários à espiritualidade político...
Era de Incertezas por Frei Betto. Vivemos na era de incertezas. Há mais perguntas que respostas. Mais dúvidas do que certezas. Navegamos à deriva na terceira margem ...