Libertação: ação que cria a liberdade

Leonardo Boff – Libertação: ação que cria a liberdade

Liberdade é mais que uma faculdade do ser humano — a de poder escolher, ou o livre arbítrio. A liberdade pertence à essência do ser humano. Mesmo sem poder escolher, o escravo não deixa de ser, em sua essência, um ser livre. Pode resistir, negar e até se rebelar e aceitar ser morto. Essa liberdade ninguém lhe pode tirar.

Entre muitas definições, penso que esta é, para mim, a mais correta: liberdade é capacidade de auto-determinação.

Todos nascem dentro de um conjunto de determinações: de etnia, de classe social, num mundo já construído e sempre por construir. É a nossa determinação. Ninguém é livre de alguma dependência. Ela pode ser uma opressão, como o trabalho escravo, ou o baixo salário. Ao lutar contra, exerce-se um tipo de liberdade: liberdade de, desta situação. É a luta por sua in-dependência e autonomia. Ele se auto-determina: assume a determinação, mas para superá-la e ser livre de, livre dela.

Mas existe ainda um outro sentido de liberdade como auto-determinação: é aquela força interior e própria (auto) que permite ser livre para, paraconstruir sua própria vida, para ajudar a transformar as condições de trabalho e para criar outro tipo de sociedade onde seja menos difícil ser livre de e para. Aqui se mostra a singularidade do ser humano, construtor de si mesmo, para além das determinações que o cercam. A liberdade é uma libert-ação, vale dizer, uma ação autônoma que cria a liberdade que estava cativa, ou ausente.

Estes dois tipos de liberdade ganham uma expressão pessoal, social e global.

Em nível pessoal a liberdade é o dom mais precioso que temos depois da vida: poder se expressar, ir e vir, construir sua própria visão das coisas, organizar a vida como se gosta, o trabalho e a família, e eleger seus representantes políticos. A opressão maior é ser privado desta liberdade.

Em nível social ela mostra bem as duas faces: liberdade como independência e como autonomia. Os países da América Latina e do Caribe ficaram independentes doscolonizadores. Mas isso não significou ainda autonomia e libertação. Ficaram dependentes das elites nacionais que mantiveram as relações de dominação. Com a resistência, protestação e organização dos oprimidos, gestou-se um processo de libertação que, vitorioso, deu autonomia às classes populares, uma liberdade para organizarem outro tipo de política que beneficiasse os que sempre foram excluídos. Isso ocorreu na América Latina a partir do fim das ditaduras militares, que representavam os interesses das elites nacionais articuladas com as internacionais. Está em curso um processo de libert-ação para, o qual ainda não se concluiu. mas que fez avançar a democracia nascida de baixo, republicana e de cunho popular.

Hoje precisamos também de uma dupla libertação: da globalização econômico-financeira, que explora mundialmente a natureza e os países periféricos, dominada por um grupo de grandes corporações, mais fortes que a maioria dos Estados. E uma libertação para uma governança global desta globalização, que enfrente os problemas globais como o aquecimento, a escassez de água e a fome de milhões e milhões. Ou haverá uma governança colegiada global, ou há o risco de uma bifurcação na humanidade, entre os que comem e os que não comem, ou padecem de grandes necessidades.

Por fim, hoje se impõe urgentemente um tipo especial de liberdade de e de liberdadepara. Vivemos a era geológica do antropoceno. Isto significa: o grande risco para todos não é um meteoro rasante, mas a atividade irresponsável e eco-assassina por parte dos seres humanos (ántropos). O sistema de produção imperante capitalista está devastando a Terra, e criou as condições de destruir toda a nossa civilização. Ou mudamos, ou vamos ao encontro de um abismo. Precisamos de uma liberdade deste sistema ecocida e biocida, que tudo põe em risco para acumular e consumir mais e mais.

Precisamos também de uma liberdade para: para ensaiarmos alternativas que garantam a produção do necessário e do decente pra nós e para toda a comunidade de vida. Isso está sendo buscado e ensaiado pelo ‘bien vivre’ das culturas andinas, pela eco-agricultura, pela agricultura familiar orgânica, pelo índice de felicidade da sociedade e outras formas que respeitam os ciclos da vida. Queremos uma biocivilização.

Como cristãos precisamos também libertar a fé cristã de visões fundamentalistas, de estruturas eclesiásticas autoritárias e machistas, para chegarmos a uma liberdade,para as mulheres serem sacerdotes, para os leigos poderem decidir junto com o clero os destinos de sua comunidade, para os que têm outra opção sexual. Precisamos de uma Igreja que, junto com outros caminhos espirituais, ajude a educar a humanidade para o respeito dos limites da Terra e para a veneração da Mãe Terra que tudo nos dá. Esperamos que o papa Francisco honre a herança de São Francisco de Assis, que viveu uma grande liberdade das tradições e para novas formas de relação para com a natureza e com os pobres.

A luta pela liberdade nunca termina, porque ela nunca é dada, mas conquistada por um processo de libertação sem fim.

VEJA TAMBÉM
O dia do juízo sobre nossa cultura? O final do ano oferece a ocasião para um balanço sobre a nossa situação humana neste planeta. O que podemos esperar e que rumo tomará a história? São ...
Dez possíveis lições após o Impeachment Seguramente é cedo ainda para tirar lições do questionável impeachment que inaugurou uma nova tipologia de golpe de classe via parlamento. Estas prime...
Paraguai, Democracia Falsificada Você compraria uísque Blue Label ou bolsa Louis Vuitton contrabandeados do Paraguai? Com certeza desconfiaria da qualidade. Isso vale para a “nova d...
A Arte de Reinventar a Vida A ARTE DE REINVENTAR A VIDA Finda o...