Lavar os pés

LAVAR OS PÉS

Você já lavou os pés de alguém? Eu já lavei os pés de alguém? Já lavamos os pés de alguém? O gesto é incomum, a não ser quando a mãe ou o pai lavam os pés de filhos e filhas, ou estes lavam os pés dos pais idosos, ou são lavados os pés de alguém doente no hospital.

Na narração do evangelista João, “Jesus levantou-se durante a ceia, tirou o manto, atou uma toalha à cintura, pôs água numa bacia e começou a lavar os pés de seus discípulos, secando-os com a toalha. Tendo terminado de lhes lavar os pés, pôs o manto, sentou-se à mesa e disse: Entendem vocês o que eu fiz? Vocês me chamam de Senhor e Mestre. E dizem a verdade, porque o sou. Se eu, que sou o Senhor e o Mestre, lavei os pés de vocês, também vocês devem lavar-se os pés uns aos outros” (Jo 13, 4-5, 12-14).

O tema da Campanha da Fraternidade/2015 (CF/2015), promovida pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), é ‘Fraternidade: Igreja e Sociedade’ e o lema é ‘Eu vim para servir’ (Mc. 10,45). A foto da CF/2015 retrata, como diz a contracapa do Texto-Base, “o Papa Francisco lavando os pés de um fiel na Quinta-feira Santa de 2014. A igreja atualiza o gesto de Jesus Cristo ao lavar os pés de seus discípulos”.

A Campanha da Fraternidade inspira-se no gesto de Jesus, repetido no gesto e nas palavras do Papa Francisco. Inspira-se também nas palavras de Jesus: “Como vocês sabem, os que são considerados como chefes das nações as governam como se fossem seus donos. E os poderosos as oprimem com seu poder. Porém, entre vocês não deve ser assim. Ao contrário, o que quer chegar a ser o mais importante, faça-se servidor de todos. O que quer ser o primeiro seja o servo de todos. Assim como o Filho do Homem, que não veio para que o sirvam, e sim para servir e dar a sua vida em resgate de muitos” (Mc 10, 42-45). Inspira-se na Comunidade Primitiva dos primeiros cristãos: “A assembleia dos fiéis tinha um só coração e uma só alma. Ninguém considerava como seu o que possuía, mas todas as coisas lhes eram comuns. Não havia entre eles nenhum necessitado, porque todos os que tinham campos ou casas as vendiam, entregavam o dinheiro aos apóstolos, os quais repartiam a cada um segundo suas necessidades” (Atos 4, 32-35).

O tema e o lema da Campanha da Fraternidade vêm em momento mais que oportuno no Brasil e no mundo. Os tempos são de política em baixa. Os tempos são de denúncias de corrupção. Os tempos são de guerras e mortes em muitas partes do mundo. Os tempos são de crise, desemprego em outras partes. Os tempos são de preconceitos e intolerância. Os tempos são de dominações de variados tipos. Os tempos são de poder que invade a vida e a intimidade das pessoas. Os tempos são de domínio do dinheiro, da vaidade, do luxo.

A CF/2015 tem por objetivo geral “aprofundar, à luz do Evangelho, o diálogo e a colaboração entre a Igreja e a sociedade, propostos pelo Concílio Vaticano II, como serviço ao povo brasileiro, para a edificação do Reino de Deus”. E tem, como objetivos específicos, entre outros: Identificar e compreender os principais desafios da situação atual; aprofundar a compreensão da dignidade da pessoa humana, da integridade da criação, da cultura da paz, do espírito e do diálogo inter-religioso e intercultural, para superar as relações desumanas e violentas; atuar profeticamente, à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres, para o desenvolvimento integral da pessoa e da construção de uma sociedade justa e solidária.

Neste contexto, preocupa-se e propõe o diálogo e a colaboração em vista do bem comum, a superação da violência e a construção da paz, conselhos paritários e participação social, participação na reforma política. O Papa Francisco falou na Jornada Mundial da Juventude, Rio de Janeiro, 2013: “Educação, saúde, paz social são as urgências do Brasil. A Igreja tem uma palavra a dizer sobre estes temas, porque, para responder adequadamente a esses desafios, não são suficientes soluções meramente técnicas, mas é preciso ter uma visão subjacente do homem, da sua liberdade, do seu valor, da sua abertura ao transcendente.”

D. Leonardo Steiner, Secretário Geral da CNBB, escreve na Apresentação do Texto-Base: “Sociedade vem de ‘socius’ e ‘id’, idade, que diz da força, vigor do ‘socius’. ‘Socius’ é o companheiro. A força que faz e deixa ser companheiro. Companheiros os que, unidos pela mesma força e vigor, formam um grupo. Os que unidos pela mesma força e vigor formam a sociedade.’

A Campanha da Fraternidade/2015 chama a lavar os pés não só de filhos e filhas, ou de pais doentes ou idosos. Chama a lavar os pés no sentido concreto e imediato: serviço, diálogo e cooperação entre Igreja e sociedade, promoção e defesa da justiça social, proteção dos direitos fundamentais, políticas públicas com participação social, reformas estruturais na sociedade. E chama a lavar os pés no sentido simbólico: despojamento, humildade, poder-serviço, compromisso com quem mais precisa, solidariedade.

Selvino Heck

Assessor Especial da Secretaria Geral da Presidência da República

Da Coordenação Nacional do Movimento Fé e Política

Em vinte e sete de fevereiro de dois mil e quinze

VEJA TAMBÉM
Mulheres e Homens Terra: Sociedade do Bem Viver A faixa estava aberta no alto, ligando um lado ao outro da estreita estrada de chão: ‘Mulheres e Homens Terra’. Sentados no meio da estrada, jovens me...
Denunciar Temer nas missas Roberto Malvezzi (Gogó) Estávamos no auge do Regime Militar. A tortura e as mortes aconteciam sem que a sociedade soubesse. Então, num sábado à noite...
Aos noventa, a vida e a História Mamãe Lúcia fez 90 anos no último dia 27, com celebração na igreja São Luiz, festa no Luizão de Santa Emília, Venâncio Aires, interior do interior do ...
Para salvar a humanidade do desastre: “o bem viver... Por Ivo Lesbaupin. O “bem viver” “Bem viver” é uma concepção de vida proveniente dos povos indígenas andinos, presente tanto nos Aimara (Bolívia...