Eleições 2016: O Contexto

As eleições municipais de 2 de outubro são, no momento em que escrevo, 29 de julho, imprevisíveis. Ninguém sabe o que vai acontecer. Escrevo como alguém que participa de eleições desde 1978, 38 anos atrás, foi candidato seis vezes, a primeira vez em 1982, coordenou inúmeras campanhas, como a de Lula no Rio Grande do Sul em 1989, ou a de Tarso Genro, prefeito eleito de Porto Alegre em 1992. Até chegar a esta de 2016, onde estarei na coordenação de campanha de Cesar Schumacher, candidato a prefeito do PT de Venâncio Aires, minha terra.

Pergunto às pessoas em quem vão votar e por que. Quase ninguém sabe. Quando sabe, vota numa pessoa da qual ouviu falar ou já conhecia, e nada mais. Quase ninguém está ligado às eleições, por enquanto. Pergunto aos candidatos como vão tratar os temas do impeachment, do golpe e da democracia e há muitas dúvidas. Pergunto sobre o quadro econômico e social previsível em 2 de outubro, e as respostas são múltiplas ou vagas.

Estas eleições, mesmo sendo municipais, são especialmente importantes, por acontecerem no momento em que estão acontecendo, por possibilitarem o levantamento de temas antes quase proibidos em eleições municipais, por exigirem dos candidatos majoritários e proporcionais posicionamentos e respostas sobre assuntos que vão além da questão local, obrigando a discutir o micro e o macro, políticas públicas, a democracia e assim por diante.

Agosto é um mês marcado na história no Brasil, a começar pelo suicídio de Getúlio em 24 de agosto de 1954. Em agosto de 2016, o Senado da República decidirá sobre o impeachment da presidenta Dilma Rousseff. Agosto será o mês de inéditas Olimpíadas no Brasil e na América Latina, que deveriam/deverão envolver e empolgar toda sociedade brasileira e ter repercussão mundial. Agosto será um mês de grandes manifestações sociais e de rua, talvez com uma greve geral há muito tempo não vista.

Como o Brasil chegará no final de agosto? Como estará em setembro? Ninguém sabe, ninguém pode/consegue prever.

Recentes pesquisas, algumas inclusive fraudadas, como a do Datafolha, dão conta que está acontecendo uma mudança no humor popular de brasileiras e brasileiros. Cai a aprovação do governo interino golpista, sobe a aprovação da presidente legítima, Dilma, diminuem os favoráveis ao seu impeachment, cresce o número dos que querem eleições gerais.

No campo econômico e social, não se vê crescimento econômico no horizonte, aumenta a taxa de desemprego e as pessoas reclamam da inflação que corrói seus ganhos. Cresce, portanto, a insatisfação popular com a máxima do `Estado mínimo, mercado absoluto`. O desmonte das políticas públicas existentes, promovido pelo governo interino, começa a ser sentido na vida cotidiana do povo e dos trabalhadores.

Cresce o descrédito da política em geral, dos políticos e partidos em particular, ainda mais com as últimas medidas do governo interino chanceladas pelo Congresso Nacional, favorecendo minorias e não ao conjunto da população: reajuste dos servidores do Poder Judiciário e Legislativo, aceleração de privatizações, previsão de reformas na previdência e nas leis trabalhistas. E ainda há as denúncias de corrupção, a parcialidade de setores do Poder Judiciário e Ministério Público nas apurações, novidades que poderão surgir.

Há forte criminalização da política, especialmente do Partido dos Trabalhadores, e de alguns movimentos sociais, como o MST. Crescem o ódio a intolerância com quem é diferente ou pensa diferente da maioria, com quem professa determinadas crenças, com quem não professa a `lei e a ordem`. Os valores da solidariedade, da igualdade andam em baixa, a grande mídia colaborando expressivamente com seu esvaziamento e perda de sentido.

Como tudo isso se refletirá no voto daqui a dois meses? Ou os eleitores vão continuar com o olhar apenas no plano local, votando em nomes em vez de programas e partidos, sem atentar para as questões globais e nacionais? Quem o sabe?

Neste contexto, é de se imaginar que nesta eleição não haverá como escapar da disputa de projetos de sociedade e de desenvolvimento, haverá confronto de ideias, haverá embates programáticos, haverá debate sobre o futuro, não só do município, mas também do país. Ou todos fugirão de temas como a democracia, políticas públicas com participação social, papel do Estado e da sociedade civil em tempos de crise?

É de se lembrar ainda que, pela primeira vez, está proibido o financiamento empresarial de campanhas, levando a militância voluntária à rua, uma campanha pé no chão e no barro.

As eleições municipais de 2016, embora ainda imprevisíveis no resultado, são especialmente importantes no atual contexto brasileiro e no futuro do Brasil como Nação. Dois meses que entrarão para a história. Cabe a candidatas e candidatos, a militantes, à população em geral preocupada com o futuro de seus filhos e netos transformar estas eleições numa vitória da democracia e do resgate da política como serviço ao bem comum.

Selvino Heck Deputado estadual constituinte do Rio Grande do Sul (1987-1990) Em vinte e nove de julho de dois mil e dezesseis

VEJA TAMBÉM
Selvino Heck – MST, 30: A luta é pra valer Abertura do 6º Congresso do MST, Brasília, encontro companheiro das antigas que não via faz tempo, hoje assentado em Viamão, Rio Grande do Sul, que m...
Duas forças em tensão: a auto-afirmação e a integr... Biologicamente nós humanos, somos seres carentes (Mangelwesen). Não somos dotados de nenhum órgão especializado que nos garanta a sobrevivência ou no...
Bem Viver, Profetismo e Política “Se calarem a voz dos profetas, as pedras falarão. / Se fecharem uns poucos caminhos, mil trilhas nascerão.” Os versos da canção ‘Se calarem a voz’, d...
A Gaiola Neoliberal Frei Betto Ao contrário do liberalismo, o neoliberalismo defende a supremacia do mercado e a redução do Estado a mero operador de interesses corporat...