Centenário do nascimento de Oscar Romero – Monsenhor Romero, o arcebispo que desafiou o império

Juan José tamayo

(artigo publicado no jornal el país, 15 de agosto de 2017)

Em 15 de agosto de 2017 comemora-se o centenário do nascimento de Oscar a. Romero, arcebispo de San Salvador (El Salvador), assassinado por um atirador à ordem do Major Roberto D ‘ Abuisson em 24 de março de 1980 enquanto celebrava missa na capela do hospital da divina providência, na colônia Miramonte, que tantas vezes eu visitei para manter viva a memória do profeta salvadorenho da libertação.

Durante as três décadas que seguiram o seu assassinato nos setores eclesiásticos-dominados – pelo conservadorismo – e políticos – sob o partido de direita arena – em cumplicidade aliança, em el Salvador se um véu de silêncio sobre a figura de Monsenhor Romero e Esqueceu-se do legado profético do seu cristianismo libertador e do seu compromisso com as maiorias populares.

Durante todo esse tempo Romero viveu em uma espécie de clandestinidade eclesiástica, um afastamento por parte da maioria dos bispos salvadorenhos e boa parte do clero do país e um esquecimento freudiano por parte das altas instâncias Vaticano. O próprio arcebispo de San Salvador de 1995 a 2008, o espanhol Fernando Sáenz Lacalle, membro da opus dei e brigadeiro-General da força armada de el Salvador, colocou todos os obstáculos para que não fosse elevado aos altares.

Pronunciar o nome Romero foi vetado em muitos desses setores. Poucos eram os movimentos e as pessoas que se declaravam seus seguidores em el Salvador. Houve, no entanto, honrosísimas e muito significativas excepções. Por exemplo, o arcebispo auxiliar de San Salvador Rosa chavez, a quem o Papa Francisco nomeou cardeal, talvez como reconhecimento por manter viva a memória de Romero; a universidade centro-Americana “José simeon canas” (uqa); os teólogos jon sobrinho e ignacio Ellacuria-assassinado em 1989 -; a Fundação Monsenhor Romero; o comité de solidariedade monsenhor Romero e poucos mais.

Os Papas João Paulo II (1979-2005) E Bento XVI (2005-2013) contribuíram em grande medida com as suas receios a essa marginalização. Foi preciso esperar pelo Papa Francisco para lhe devolver o reconhecimento que merecia como mártir pela justiça e testemunha do Evangelho. Agora Romero está na boca de todos e é objeto de culto popular. Mas creio que a sua verdadeira personalidade está a ser desenfocando, como muitos temíamos uma vez que fosse elevado aos altares. A imagem que se está a espalhar é de um bispo piedoso, devoto da virgem, milagreiro, fiel a Roma. Não ponho em dúvida a sua devoção mariana, mas não foi essa a faceta que destacou durante os três anos de arcebispo de San Salvador, nem a função principal que exerceu e ainda menos o motivo do seu assassinato.

É urgente recuperar a figura profética e libertadora de Monsenhor Romero, a sua dimensão política subversiva, o seu permanente desafio ao governo da nação, que acusou de ser o responsável pela repressão sangrenta e ainda mortal e de estar a fazer grande mal ao país; Oligarquia, que acusou de possuir a terra que é de todos e de assassinar camponeses, estudantes, operários, professores, etc.; o exército e os corpos de segurança, aqueles que acusava de semear a morte e a destruição; Ao Major D ‘ Abuisson, que se qualifica de falaciosa, mentiroso e deformador da realidade.

Aí estão para provar os seus sermões evangélico-políticos de cada domingo contra a idolatria da riqueza, que considerava o maior perigo para o país, e contra a injustiça social, que é a sua opinião a verdadeira razão do mal-estar do povo e a causa de A violência. Recorde-se o último sermão que proferiu em 23 de março de 1980 na Catedral, um dia antes do seu assassinato: ” em nome de Deus,… e em nome deste povo, cujos lamentos sobem para o céu cada Dia mais tumultuosos, peço-vos, suplico-vos, ordeno-vos, em nome de Deus: cessar a repressão!”.

Romero ousou desafiar o império. Sim, o império americano. E Fê-lo através de uma carta dirigida ao presidente dos Estados Unidos, Jimmy Carter, em 17 de fevereiro de 1980, quando soube que os EUA iam enviar ajuda econômica e militar ao conselho de governo de el Salvador. Essa ajuda, dizia ao Carter, longe de “favorecer uma maior justiça e paz em el Salvador aguça sem dúvida a injustiça e a repressão contra o povo organizado que muitas vezes tem lutado para que os seus direitos humanos mais fundamentais sejam respeitados”.

Na carta acusava o conselho de administração, as forças armadas e os corpos de segurança salvadorenhos de ter recorrido apenas à violência repressiva, produzindo um saldo de mortos e feridos muito mais elevado do que os anteriores regimes militares. Por isso, pedia ao Carter que não permitisse essa ajuda militar ao governo salvadorenho e exigiu que os Estados Unidos não intervir directa ou indirectamente com pressões militares, econômicas, diplomáticas, etc. Em determinar o destino do povo salvadorenho. A carta foi classificada como “devastadora” por um membro do governo dos Estados Unidos.

37 anos depois do assassinato, continuamos a perguntar-nos porque é que o mataram. Concordo com a resposta do professor de filosofia da uqa Carlos Molina: ” não foi por defender os direitos da igreja perante o poder secular, mas sim por ficar ao lado dos pobres, aqueles que tanto o poder secular como as mesmas igrejas tinham explorado, Oprimido e excluído […], por ter assumido o profecia utópico que era a única resposta aos falsos deuses que se cebaban na vida do povo e assim se tornou seu inimigo “.

Os múltiplos desafios que o Romero apresentou aos influentes actores políticos e militares, tanto nacionais como internacionais, conduziram ao seu assassinato, que pode ser qualificado como crônica de uma morte anunciada. A sua autoridade moral, tanto em el Salvador como a nível mundial, desafiava a aliança governo-Exército-Oligarquia-Estados Unidos. Se a isto somarmos a pouca estima em que era tido no Vaticano e na hierarquia do seu país, a sentença foi proferida: “Romero é condenado à morte”.

A sua memória em efeméride tão significativa como o centenário da sua aniversário é um verdadeiro exercício de memória histórica perante tão injusto esquecimento, o reconhecimento da sua coerência moral num clima de imoralidade institucional e a reabilitação da sua dignidade numa situação de indignidade dos poderosos Aliados para matá-lo.

Diretor da cadeira de teologia e ciências das religiões “Ignacio Ellacuria”. Universidade Carlos III De Madrid e diretor e co-Autor de San Romero da América, mártir pela justiça (Tirant o, Valência, 2015)