CEBs ONTEM, 1983. CEBs HOJE, 2015.

CEBs ONTEM, 1983. CEBs HOJE, 2015.

“1. Dias 19 e 20 MAR 83, no Salão Paroquial da Igreja da Vila São Pedro, localizado na Estrada João de Oliveira Remião, 4444 – Lomba do Pinheiro – PORTO ALEGRE/RS, foi realizado o VI ENCONTRO DE COMUNIDADES ECLESIAIS DE BASE – CEBs da Arquidiocese local, que teve como tema central ‘POVO UNIDO, SEMENTE DE UMA NOVA SOCIEDADE’. 2. Os participantes do Encontro, em número aproximado de 200 (duzentas) pessoas, após a abertura dos trabalhos, foram divididos em diversos grupos para a discussão da pauta do evento, da qual constava o estudo da conjuntura política, econômica, social e a prática das CEBs.

Na abordagem dos assuntos, os presentes, orientados por ‘animadores pastorais’, fizeram uso do método de análise preconizado por Puebla (Ver – Julgar – Agir), que se baseia, fundamentalmente, no diagnóstico(Ver) dos problemas que afligem os pobres (trabalhadores), estudo das causas e consequências (Julgar) destes e adoção de medidas (Agir), visando minimizá-los e/ou solucioná-los”.

Parece descrição perfeita do Encontro de CEBS acontecido há 32 anos, diria alguém não inteirado de sua realização. Mas os dois parágrafos acima são transcrição literal do Informe Nº 11-523/83, SCI/SSP/RS, Supervisão Central de Informações, da Secretaria de Segurança Pública do Estado do Rio Grande do Sul, registrado como E2/III EX-APA/SNI (Serviço Nacional de Informações), carimbo de CONFIDENCIAL. Acompanham o registro dos serviços de espionagem da ditadura militar duas matérias do jornal Zero Hora, de 20 e 21 de março de 1983: “CEBs, o povo está cansado de injustiças – Procissão encerrou encontro de CEBs”; “Reunião na Lomba do Pinheiro concluiu: a união é a saída para buscar sociedade mais justa.”

Os registros de espionagem fazem um registro especial de alguns presentes: Pe. Pedrinho Guareschi, Ana Isabel Alves Godoy, militante comunitária, Íria Charão Rodrigues, das CEBs,ex-freiSelvinoHeck, freis Mário Schuh e Alcindo Dalcin.

Dias 7 e 8 de novembro de 2015, em Canoas, Rio Grande do Sul, acontece o 28º Encontro de CEBs da Arquidiocese de Porto Alegre. O tema é CEBs – FERMENTO DE TRANSFORMAÇÃO DA SOCIEDADE, e o lema POVO DE DEUS, DIALOGANDO COM AS REALIDADES A SERVIÇO DA VIDA.

Na Cartilha preparatória do Encontro, o teólogo e Assessor das CEBs Frei Flávio Guerra escreve: “CEBs são grupos de pessoas que, morando no mesmo bairro ou nos mesmos povoados, se encontram para refletir e transformar a realidade à luz da Palavra de Deus e das motivações religiosas. Daí o nome das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs). Começam também a reivindicar pequenas melhorias nos bairros, mas, ao mesmo tempo, iniciam uma caminhada para tomar consciência da situação social e política. Querem a transformação da sociedade. Inspiradas no método Paulo Freire de alfabetização de adultos, executam uma metodologia que leva da conscientização à ação.”

Explica-se a preocupação da ditadura militar e seus atentos serviços de espionagem. Nas periferias das cidades e no campo, trabalhadoras/es e os mais pobres entre os pobres, usando o método Ver, Julgar e Agir, reuniam-se para refletir e transformar a realidade à luz da Palavra de Deus,reivindicavam melhorias no bairros e tomavam consciência da situação social e política, com base em Paulo Freire. Altamente subversivos, portanto.

Segundo os fiéis relatos dos espiões, em 1983 “o grande problema era o salário mínimo, definido como salário de fome” e “o povo está cansado do regime de injustiças que o cerca”: VER. No JULGAR, refere-se que “todos os membros da nossa sociedade devem ter os mesmos direitos, sem diferenças e que o culpado pelas injustiças cometidas contra os trabalhadores é o sistema econômico brasileiro, o capitalismo, bem como o grupo que faz as leis que nós somos obrigados a obedecer, o governo e os militares”. Jesus, na Bíblia, “prega a fraternidade entre os homens que devem ter os mesmos direitos, sem diferenças”. No AGIR, “os participantes do Encontro decidiram que a organização e a união dos trabalhadores é a única saída que temos para buscar uma sociedade mais justa, fraterna e igualitária, onde não existirão os extremos de riqueza e de pobreza”. Como encerramento do Encontro, fizeram uma procissão até a Vila São Carlos,“em solidariedade aos posseiros para lá transferidos após serem desalojados para a construção da estação de transbordo da Av. Bento Gonçalves”.

Em 2015 os desafios para as CEBS e para quem transformar a sociedade ligando a fé à realidade e à vida são muitos e vários deles iguais aos de 1983. O papa Francisco diz: “Estou convencido de que é necessário que os homens e as mulheres se comprometam, em todos os níveis, na sociedade,na política, nas instituições e na economia, colocando no centro o bem comum.Temos de construir uma economia na qual o bem das pessoas, e não o dinheiro, seja o centro. Nunca resolveremos os problemas do mundo sem uma solução dos problemas dos pobres. São necessários programas, mecanismos e processos orientados a uma melhor distribuição dos recursos, à criação dos empregos, à promoção integral dos excluídos. A igreja está movida unicamente pelas palavras de Jesus. Quer oferecer seu aporte à construção de um mundo no qual uns ajudem os outros e no qual uns cuidem dos outros.” O Cuidado com a Casa Comum, diz o papa na Encíclica LaudatoSí’.

O Brasil vive na democracia. A luta e a mobilização social derrubou a ditadura. Não há mais espionagem nos Encontros de CEBs (embora não se possa esquecer a espionagem eletrônica global). Mas a presença e atuação das CEBs continua fazendo sentido. Em tempos de democracia, mas também de crise econômica, social, cultural, ambiental e de valores, as CEBs continuam sendo semente e fermento de transformação da sociedade e fazendo história.

Selvino Heck

Assessor Especial da Secretaria de Governoda Presidência da República

Assessor do 28º Encontro de CEBs da Arquidiocese de Porto Alegre

Em seis de novembro de dois mil e quinze

VEJA TAMBÉM
Páscoa, raiz da espiritualidade político-libertado... Marcelo Barros e Pedro A. Ribeiro de Oliveira   “Estejam sempre preparados/as para responder com mansidão e respeito a qualquer um que...
O despertar da CNBB Pedro A. Ribeiro de Oliveira Foi com alegria que li a nota da CNBB contra o projeto de reforma da previdência, precedida por uma carta pastoral da Di...
O Corpo Em torno da festa cristã de Corpus Christi vale lembrar que uma linha vertical divide os seres humanos entre vencedores e vencidos, aliados e inimigo...
Revogue-se a Lei da Abolição Frei Betto Não satisfeito com a reforma trabalhista que retira direitos dos trabalhadores e favorece interesses dos patrões, o deputado federal Nilso...