A EDEM: uma escola no Rio de Janeiro celebra a África.

A Escola EDEM do Rio de Janeiro, situada no Largo do Machado, mostra sentido de atualidade e de solidariedade ao promover a III Festa Literária dedicada à África nos dias 23-26 de outubro.

Mais da metade dos brasileiros tem alguma raiz afro. E todos nós somos africanos, pois o ser humano apareceu pela primeira vez, na história da evolução, na África. Lá irromperam a consciência, a inteligência e a capacidade do cuidado. Da África os seres humanos se espalharam por todos os continentes. Mas nunca devemos esquecer: lá, na África, estão as nossas raízes. Revisitando as raízes nós nos humanizamos e também rejuvenescemos.

Mas uma sombra escura pesa sobre todos nós não afrodescendentes. Nós escravizamos milhões de africanos. À força os trouxemos da África e os vendemos como “peças” a serem negociadas nos mercados negreiros. E os fizemos trabalhar como animais de forma tão pesada que grande parte morria de cansaço, com poucos anos de vida. Quase tudo o que existe no Brasil colonial foi feito pelos escravos afrodescentendes. Temos uma dívida a pagar para com eles e, até hoje, não a temos pago.

Essa Feira representa um gesto simbólico de gratidão e de reconhecimento por tudo o que trouxeram de positivo para a nossa cultura nacional, desde a culinária, a religiosidade, a alegria de viver, a ginga e a música. Deixaram-nos uma palavra que significa toda uma filosofia de vida e que é usada em muitas partes do mundo. É a palavra UBUNTU. Ubuntu, em africano, significa: “eu sou através de você”, ou “nós somos se mantivermos sempre boas relações uns para com os outros”. Se isso fosse seguido hoje, o mundo seria totalmente diferente. Mas eles nos deixaram a inspiração e o desafio de vivermos em redes de relação includentes.

Há anos, escrevi um texto lembrando a liturgia da Igreja Católica da Sexta-feira Santa. Neste dia lembramos que Jesus foi preso, torturado e pregado na cruz. E ele nos deixou um lamento de tristeza, recordando-nos todo o bem que nos fez, e nós em troca lhe retribuímos com ofensas e com a crucificação. Algo semelhante fizemos e estamos ainda fazendo para com a população de nossos irmãos e irmãs afrodescendentes. Eis o texto:

“Ouvem-se ainda os ecos dos lamentos de cativeiro e de libertação, vindos das senzalas, hoje das favelas ao redor de nossas cidades: ”.

E nós brancos, os que dispomos do ter, do saber e do poder, geralmente calamos, envergonhados e cabisbaixos. É hora de escutar o lamento destes nossos irmãos e irmãs afrodescendentes, somar forças com eles e construir juntos uma sociedade inclusiva, pluralista, mestiça, fraterna, cordial onde nunca mais haverá, como ainda continua havendo no campo, pessoas que se atrevem a escravizar outras pessoas.

Oxalá possamos gritar: “Escravidão nunca mais!”. E, enxugando as lágrimas, possamos dizer, como no Apocalipse: “Tudo isso passou”.

VEJA TAMBÉM
Marielle Franco: Quando as balas chegam atrasadas Marielle Franco foto: www.mariellefranco.com.br por Maria Clara Lucchetti Bingemer* Há uma semana, uma mulher negra, nascida e criada na favela...
O Pão, a Palavra e o Projeto “A cigana leu o meudestino./ Eu sonhei!/ Bola de cristal,/Jogo de búzios, cartomante,/ E eu sempre perguntei:/ O que será o amanhã?/ Como vai ser o me...
ÁGUAS DA PRIMAVERA E SEMENTES DE ESPERANÇA ÁGUAS DA PRIMAVERA E SEMENTES DE ESPERANÇA Boa nova. Chego em Campina Grande sexta de manhã, volta a Brasília só na segunda, ‘seco’ por um chimarrão. ...
O cenário que se desenha hoje Pedro A. Ribeiro de Oliveira*             Exponho meu pensamento de modo afirmativo, mas deixo claro que a tese que o perpassa – a derrota do projeto...