Moção das mulheres participantes do 10° Encontro Nacional de Fé e Política em defesa da Democracia

Nós mulheres, feministas, do campo e da cidade, da luta por direitos e contra a violência, integrantes/ dirigentes de partidos políticos e também sem filiação partidária, de diversos segmentos religiosos cristãos, das pastorais sociais, das Comunidades Eclesiais de Base, das Escolas de Fé e Política desse país, educadoras populares e de diversos movimentos sociais populares, reunidas nos dias 22, 23 e 24 de abril do ano de 2016, no 10° Encontro Nacional de Fé e Política, em Campina Grande – PB manifestamos nosso total apoio a Presidenta Dilma Rousseff e repudiamos a tentativa de golpe como forma de retrocesso à democracia brasileira, tão nova em nosso país.

Nos últimos meses acompanhamos um movimento liderado por políticos fascistas, conservadores e machistas amparados por um judiciário que rompe com seu compromisso com a justiça e a imparcialidade; apoiado por uma elite brasileira que não respeita a distribuição de renda e o empoderamento das mulheres; e financiado por recursos transnacionais.

Estes e a mídia golpista brasileira vem implantando uma crise, travando pautas importantes no Congresso Nacional e avançando na aprovação de leis que vão contra os direitos já garantidos.

Reconhecemos que o governo do PT rompeu em muitos momentos com a base e deixou de lado questões fundamentais como a reforma agrária e o respeito aos direitos dos povos originários desta terra. Porém, não se pode por isso permitir um retrocesso dos direitos sociais conquistados.

Acreditamos que grande parte da resistência e sabotagem ao governo da Presidenta Dilma Rousseff se dá única e exclusivamente por sua condição de mulher. Numa sociedade patriarcal e machista, onde a misoginia permeia as relações sociais correntes, contribuindo no favorecimento e na eleição para cargos eletivos de homens defensores da tortura e de outras tantas formas de violência, construiu-se um parlamento com atitudes reacionárias e que flerta com o conservadorismo que sustenta a estratificação social, seja ela de classe, de gênero ou de raça. Parlamento esse que tenta golpear a Democracia fazendo uso do mesmo discurso de outrora, que deflagrou o Golpe de 1964 e atirou nosso país a 21 anos de escuridão: o uso do nome de Deus e da família nuclear patriarcal.

Como mulheres belas, de lutas e do espaço em que quisermos estar, inspiradas pelo ideário do Bem Viver e banhadas nas águas da solidariedade, queremos plantar as sementes da esperança. A esperança de um país com mais justiça social e respeito as minorias! Um país fortalecido na defesa intransigente da Democracia onde não se admita nenhum direito a menos. Sabemos que a caminhada é difícil, mas a luta nos constrói a cada dia, pois acreditamos que outro mundo é possível.

Não vai ter golpe!
Vai ter luta!
Viva a democracia!

[assinam as mulheres presentes]

VEJA TAMBÉM
Carta do Assessor Artigas Foi um prazer colaborar com o Encontro Nacional de Fé e Política. Acho que, especialmente no momento em que vivemos, a reflexão e a ação pastoral e so...
Conversa entre Inês Pandeló e o Movimento Fé e Pol... Prezad@s companheir@s: Fiquei muito contente em ter a oportunidade de coordenar o grupo temático sobre os movimentos sociais. Os assessores José Henr...
Matriz Energética: Hegemonia e Alternativas A matriz energética de um país se refere às fontes primárias utilizadas no processo de conversão energética responsável por oferecer à sociedade a for...
Realizou-se com sucesso o 10º Encontro Nacional de... Pedro A. Ribeiro de Oliveira – membro da Coordenação Nacional do MF&P. Nos dias 22 a 24 de abril encontraram-se na Universidade Federal de Campin...